Yup

Fundação Cultural Montblanc anuncia os artistas que vão integrar a Montblanc Art Collection em 2018

Da esquerda para a direita: Emmanuelle Lainé (foto: Michael Huard), Mercedes Dorame (foto: Handwerker Gallery), e ruby onyinyechi amanze (foto: Sahar Coston-Hardy).

 

Guiados pela crença de que as artes inspiram novas idéias e pensamentos, há mais de 25 anos a Fundação Cultural Montblanc tem facilitado o desenvolvimento artístico, abrindo oportunidades para que os artistas produzam e mostrem o seu trabalho. Como parte de seu compromisso de apoiar uma nova geração de artistas, a Fundação anuncia os nomes de ruby onyinyechi amanze, Mercedes Dorame e Emmanuelle Lainé como beneficiários do seu Programa de Comissionamento de Artista para a Montblanc Art Collection em 2018. Premiado anualmente, o programa permite que artistas emergentes produzam novos trabalhos no contexto de uma exposição institucional, uma bienal ou um festival de arte. Com foco na diversidade e na inclusão, é geograficamente inclusivo e aberto a todas as formas de práticas artísticas contemporâneas.

O trabalho da nigeriana ruby ​​onyinyechi amanze será apresentado na 33ª Bienal de São Paulo de 2018, a obra comissionada da artista americana Mercedes Dorame será vista no Hammer Museum em Los Angeles em 2018, enquanto o trabalho criado pela artista francesa Emmanuelle Lainé será apresentada no HENI Project Space, Galeria Hayward em Londres no outono europeu de 2018. Após a apresentação inicial, as obras de arte comissionadas se juntarão à coleção de arte contemporânea da Fundação em Hamburgo.

Os beneficiários do Programa da Comissão de Artistas foram selecionados pelo Curatorium da Fundação Cultural Montblanc, composto por Anne Barlow (Diretor, Tate St. Ives), Sunjung Kim (Diretor, Bienal de Gwangju), Jean de Loisy (Presidente, Palais de Tóquio), Franklin Sirmans (Diretor do Museu de Arte Perez), Jochen Volz (Diretor, Pinacoteca do Estado de São Paulo), e Sam Bardaouil e Till Fellrath (Presidentes, Fundação Cultural Montblanc). O Programa foi lançado em maio de 2017 com o apoio dos artistas baseados em Manila, Katherine Nuñez e Issay Rodriguez, vencedores do Programa em 2017. Autores da instalação, In Between the Lines, a obra foi exibida como parte da exposição principal Viva Arte Viva na 57ª Bienal de Veneza.

Ao falar sobre os beneficiários, os presidentes da Fundação Cultural Montblanc, Sam Bardaouil eTill Fellrath, disseram: “A seleção reconhece o trabalho de três artistas incrivelmente talentosos que, a seu modo, estão empurrando os limites formais de suas respectivas disciplinas. Esperamos que o Programa sirva de plataforma para conectar seu trabalho a um público mais amplo”.   O CEO da Montblanc, Nicolas Baretzki, acrescentou: “Dar aos artistas a liberdade e uma plataforma para se expressar é o cerne do propósito da Fundação Cultural Montblanc. É um privilégio apoiar três talentosos artistas que trabalham em contextos culturais tão diversos. O trabalho deles exemplifica a crença da Montblanc de que, quando a arte tem o reino livre para florescer, pode encantar e inspirar as audiências com sua ousadia, perturbação e criatividade”.

ruby onyinyechi amanze nasceu na Nigéria e mora em Nova York e Filadélfia. Ela ganhou o Sr.F.A. da Cranbrook Academy of Art, Bloomfield Hills, Michigan. Na sua prática, o desenho de grande escala e multidimensional faz parte de uma narrativa contínua, ainda não linear, que emprega a maleabilidade do espaço como antagonista primário. Com raízes na arquitetura, design, dança, histórico de migração e políticas não-nacionalistas, a manipulação das funções espaciais surge como uma alternativa poética e brincalhona para identidades e geografias fixas. Navegando fluentemente em mundos fictícios e conflitantes, uma coorte de alienígenas, híbridos e fantasmas acessa a magia como sua norma mundana.

Mercedes Dorame nasceu e mora em Los Angeles, Califórnia. Ela é membro da tribo de Índios Gabrielino Tongva da Califórnia e recebeu seu MFA do San Francisco Art Institute e seu BA da UCLA. Seu trabalho explora a construção de histórias de cultura e origem como resultados da necessidade de amarrar a própria existência a terra. Ela usa a câmera para envolver idéias de construção cultural e trabalhou nos últimos 18 anos como monitora de recursos culturais da Native American.

 

Emmanuelle Lainé nasceu em Paris e mora em Marselha. É formada na ENSBA em Paris. Em sua prática, Lainé muitas vezes combina objetos encontrados com imagens fotográficas em larga escala para formar quadros em que os espaços representativos, físicos e retóricos se sobrepõem. Através destes ambientes multidimensionais, Lainé oferece respostas visivelmente atraentes tanto para a arquitetura quanto para o local.

 

Sobre a Fundação Cultural Montblanc

A Fundação Cultural Montblanc, com sede em Hamburgo, foi fundada em 1992 com a missão de promover o pensamento inovador através do apoio às artes em todo o mundo. Suas iniciativas principais incluem o Prêmio Montblanc Arts Patronage, mundialmente reconhecido, que até o momento concedeu cerca de 5 milhões de euros em prêmios em dinheiro para mais de 250 profissionais da arte e suas organizações em todo o mundo. Desde 2002, a Coleção de Arte Montblanc apoiou mais de 170 artistas, comissionando-os para criar novos trabalhos. A coleção inclui muitos artistas que ganharam renome internacional, como John Armleder, Monica Bonvicini, José León Cerillo, Thomas Demand, Hans-Peter Feldmann, Sylvie Fleury, Liam Gillick, Gary Hume, Fang Lijun, Thomas Ruff, Tom Sachs Chiharu Shiota, Thomas Schütte, Cerith Wyn Evans e Heimo Zobernig.

Mostrar mais

Fábio Monnerat

Consultor de marketing de moda e tendências. Trabalho com moda faz há mais de 9 anos e há 6 anos escrevo para blogs e sites de moda masculina e tendências.

Você também vai gostar

Confira também:

Close
Close